Comunica√ß√£o e A√ß√Ķes Art√≠sticas

Autor < Publicado em: 09/05/17

 

Agência Postal e o primeiro rádio

 

Para se chegar ao Raso, ou como mais tarde foi denominado, Vila de Araci, a locomo√ß√£o se dava atrav√©s de montaria em cavalos, burros ou em carros de bois. A esta√ß√£o de trem mais pr√≥xima localizava-se em Serrinha e Salgad√°lia, de onde se ia mais r√°pido para Alagoinhas e Salvador. As informa√ß√Ķes demoravam pra chegar √† Vila. Os √ļnicos meios de comunica√ß√£o eram as cartas ou algum jornal esporadicamente trazido por caixeiros viajantes ou por moradores locais quando voltavam de viagens √† cidades maiores. As cartas, a partir de 1912, passaram a circular com maior facilidade pelas m√£os do primeiro agente postal Jo√£o Pastor de Oliveira, nomeado para aqui instalar uma Ag√™ncia Postal.

O R√°dio chegaria no ano de 1938, atrav√©s de iniciativa de alguns aracienses que se juntaram e formaram a Radio Sociedade de Araci. O aparelho, comprado coletivamente, foi instalado no pr√©dio da antiga Prefeitura e todo domingo as fam√≠lias se juntavam para ouvir m√ļsicas e as not√≠cias do Brasil e do Mundo.

Jo√£o Pastor Oliveira, primeiro agente postal de Araci, nomeado em 1912

Carta enviada por araciense em 1934                                                                                                                                                                  

 

A Sociedade Filarm√īnica Juvenil Araciana

 

No ano de 1906, por iniciativa do ent√£o intendente Ant√īnio de Oliveira Mota foi iniciada uma campanha para angariar fundos para comprar diversos instrumentos musicais que formariam a Sociedade Filarm√īnica Araciana, a qual obteve bastante ades√£o por parte dos aracienses. No dia 08 de dezembro de 1906, na festa da Padroeira, a filarm√īnica foi inaugurada. Por ela passaram alguns professores de m√ļsicas, os quais contribu√≠ram na forma√ß√£o de alguns m√ļsicos locais, como: Jos√©, Jo√£o e Flaviano Mota, que tocavam caixa de guerra; os irm√£os Jo√£o Donato e Jos√© Verdelino Pinheiro, que tocavam trombone e soprano; Jos√© Bispo dos Santos, que tocava clarineta; Prisco Paraiso de Carvalho e Jos√© Jeronimo na trompa e piston, al√©m de diversos outros m√ļsicos, como Duduzinho e seu Geminiano Abade. A referida sociedade era formada por uma diretoria e seus respectivos s√≥cios e depois de muitos altos e baixos, no final dos anos 20, encerraram-se suas atividades.

M√ļsicos da Filarm√īnica Juvenil Araciana em 1928.

 

Dois periódicos no sertão:
Jornal Correio de Notícias e A Troça

 

O Jornal A tro√ßa foi fundado por Ant√īnio de Freitas Bacelar no ano de 1918 na ent√£o Vila de Araci. Denominava-se como um ‚Äúorg√£o official do rapazio, critico, humorista e chistoso‚ÄĚ. A popula√ß√£o da Vila n√£o passava de 4 mil habitantes, segundo consta o censo do Brazil para o ano de 1918. Em seu conte√ļdo, liam-se cr√īnicas, f√°bulas, coment√°rios sobre personalidades locais e regionais, informa√ß√Ķes sobre viajantes, anedotas, obitu√°rio e principalmente muitas propagandas.

Seu editor e fundador Ant√īnio de Freitas era filho do comerciante e fazendeiro Leobino de Freitas Bacelar, oriundos da cidade de Irar√°. Chegaram √† Vila de Araci no inicio do s√©culo XX e se estabeleceram desenvolvendo atividades agr√≠colas, pecu√°rias e comerciais. Leobino era dono de uma loja chamada Veneza, que vendia todo tipo de miudezas, fazendas, cal√ßados, lou√ßas, rem√©dios, artigos para presentes, produtos agr√≠colas e secos e molhados. Localizava-se na esquina da Rua Bar√£o de Jeremoabo com a Pra√ßa da Concei√ß√£o, conforme pode se verificar em uma das propagandas no peri√≥dico.

Ant√īnio de Freitas Bacelar. ¬†Editor do A Tro√ßa

 

Edição do A Troça. 1919

 

Na mesma √©poca em que circulou o A Tro√ßa, existia outro jornal, intitulado Correio de Noticias, de propriedade do Professor Jos√© Ferreira da Cunha e Silva, que sendo nomeado professor p√ļblico no ano de 1915, nesta Vila, trouxe do Munic√≠pio de Tapero√°, local de sua √ļltima resid√™ncia, todo um maquin√°rio e fundou uma tipografia, que se localizava na Pra√ßa da Concei√ß√£o. Nesta pioneira tipografia tamb√©m foi poss√≠vel rodar as edi√ß√Ķes do A Tro√ßa.

O Professor Cunha possu√≠a grande influ√™ncia e boas rela√ß√Ķes no Rec√īncavo e Capital da Bahia, onde constantemente transitava e trazia informa√ß√Ķes para serem publicadas em seu jornal. O Correio de Noticias veiculava em suas p√°ginas noticias sobre a pol√≠tica nacional, estadual e eventualmente, a local. Era correligion√°rio pol√≠tico de J. J. Seabra, o qual constantemente era elogiado em seu Jornal.

Essa sua ades√£o pol√≠tica o fizera ter bastantes inimigos na Bahia, conforme podemos constatar em um dos artigos publicados na edi√ß√£o de N¬ļ 280, de 20 de mar√ßo de 1920, com o t√≠tulo de Pol√≠tica de Bacamarte, onde denunciava uma tentativa de agress√£o f√≠sica e destrui√ß√£o da reda√ß√£o do seu jornal por opositores de J.J. Seabra. Sobre a pol√≠tica local, se declarava independente, vez outra fazendo algumas cr√≠ticas na se√ß√£o Palpites √† administra√ß√£o dos Intendentes da √©poca. O Correio de Noticias circulou em Araci at√© o ano de 1923, quando seu propriet√°rio, o professor Cunha, foi transferido para ensinar na cidade de Nazareh, e daqui levou para l√° o peri√≥dico. O maquin√°rio tipogr√°fico foi vendido para o Jornal O Serrinhense, editado em Serrinha.

Prof. Ferreira da Cunha. Editor do Correio de Notícias

 

Edição do Correio de Noticias. 1920

Fontes:
Instituto Geográfico Histórico da Bahia
LIMA, Maura M. Carvalho. História de Araci.
Biblioteca Nacional – Setor de Obras Raras
Acervo do Centro Cultural de Araci

Texto: Pedro Juarez Pinheiro