Lampião em Araci: o vaqueiro que teve sua casa incendiada pelo cangaceiro mais temido da história

Autor:
Publicado em: 16/01/18

Os relatos que seguem abaixo s√£o de¬†Germinia Pinho da Silva G√≥es, nascida em 23 de Junho de 1928. Araciense e filha do vaqueiro e comerciante Jos√© Tib√ļrcio da Silva, ela foi visitada na inf√Ęncia pelo bando de Lampi√£o. Seu depoimento feito em dezembro de 2007 a Fernando Tito e publicado no Blog¬†Lampi√£o Aceso. Dona Germinia faleceu no ultimo domingo, dia 14 de janeiro de 2018, aos 89 anos.¬†

 

Germinia Pinho da Silva Góes | Foto: Lampião Aceso

 

Sabendo dos rumores que Lampi√£o estava na regi√£o sisaleira,¬†Jos√© Tib√ļrcio da Silva mandou que sua esposa, dona Marcion√≠lia Pinho da Silva fosse dormir na casa de seu¬†cunhado, Martinho Pereira da Silva. Com ela foi Germinia Pinho da Silva, que tinha apenas seis meses de idade no dia. Jos√© Tib√ļrcio da Silva, como propriet√°rio da Fazenda Para√≠ba, transportava peles de ovinos, bovinos e caprinos de Araci para Queimadas, pois l√° havia um curtume que era do Coronel Vicente Ferreira da Silva. O coronel¬†era primo de Jos√© Tib√ļrcio da Silva. Ao chegar em Queimadas,¬†ele deixava as peles para serem curtidas e as que j√° estavam curtidas ele levava para Araci. Jos√© Tib√ļrcio, que era um vaqueiro, completava a carga com sacas de caf√© que vinham de Jacobina para Queimadas. O vaqueiro¬†era dono de uma tropa de 08¬†burros. Toda vez que chegava na¬†Vila do Raso, Araci √† √©poca, Jos√© Tib√ļrcio tinha que ir prestar contas ao Coronel Vicente Ferreira da Silva, pois era ele que dava os fretes e conduzia os trabalhos do vaqueiro.

 

                   Bando de Lampião | Fonte: Reprodução

 

Lampi√£o em Araci

Foi no per√≠odo desta viagem que Lampi√£o chegou em Jo√£o Vieira, arraial de Araci. No m√™s de dezembro de 1928, ele procurou saber quem era fazendeiro e quem tinha tropas de burros. ‚ÄúAlgu√©m que se dizia ser amigo de meu pai informou a Lampi√£o sobre meu pai e Lampi√£o mandou o cangaceiro Corisco ir at√© a Fazenda Para√≠ba, guiado por esta pessoa, pois n√£o sabiam onde era a Fazenda. Ao chegar n√£o encontrando ningu√©m colocaram fogo na casa. Quando foram 5 horas da manh√£ (pois eu acordava muito cedo para comer, minha m√£e chamou as meninas para ir tirar leite das cabras u s√≥ tomava leite de cabra, ela me levava nos bra√ßos) ao chegar na malhada ela avistou o fogo em cima da casa e logo viram os cangaceiros com os fuzis, os burros amarrados e etc.‚ÄĚ, contou¬†Germinia Pinho da Silva G√≥es.

 

                  A casa incendiada | Foto: Lampião Aceso

 

Segundo Germinia, sua mãe, respeitando os cangaceiros, não seguiu. Ela pediu que uma das meninas que ela criava voltasse na casa do tio Martinho para chamá-lo para poder encorajá-la. A fumaça já estava em cima do telhado. Os cangaceiros já tinham arrombado a porta e entrado. Já tinham pegado dinheiro, peças de tecido de seda, saqueado a casa e queimado a casa toda.

 

O casal Jos√© Tib√ļrcio e Marcionilia Pinho da Silva com seus dois filhos Germinia G√≥es e Jos√© Br√≠gido da Silva (ex-prefeito de Araci)

 

Palavras de dona Germinia: Ent√£o minha m√£e disse-¬†Bom dia meus senhores! Com que autoridade voc√™s fizeram isso? Eles responderam: ‚ÄďA ordem que n√≥s temos √© qu

ando chegarmos a uma fazenda e encontrar fechada colocar fogo na¬†casa.¬†Ela respondendo disse: ‚ÄstFez muito errado. Eles perguntaram: ‚ÄstCad√™ seu marido? Por que ele correu? Ela disse: ‚ÄstEle n√£o correu, est√° viajando, est√° em Queimadas. Eles disseram: ‚ÄstN√≥s soubemos em Jo√£o Vieira que ele tem uma tropa de burros. Ela respondeu: ‚ÄstEle est√° viajando com essa tropa de burros, pois ele √© cargueiro. Eles retrucaram dizendo: ‚ÄstPor que a senhora correu? Respondeu ela: ‚ÄstEu n√£o corri apenas fui dormir na casa do meu cunhado, se eu estivesse corrido n√£o estava aqui com um curral apartado com as cabras e o outro com o gado. Estou vindo agora porque a minha filha que carrego nos bra√ßos chorou para comer, ent√£o vir tirar leite das cabras para fazer mingau para dar a ela. O cangaceiro disse: ‚ÄstPois, ent√£o rodei e apague o fogo, que l√° nos potes tem √°gua. Ela falou: ‚ÄstTem mesmo, porque quem botou n√£o foram voc√™s, fomos n√≥s que botamos √°gua nos potes. Minha m√£e entrou e apagaram o fogo. Corisco disse: ‚ÄďViemos porque o meu chefe mandou e se encontrasse seu marido era para arrancar o caco da cabe√ßa dele e levarmos como prova que ele estivesse morto. Ela disse: ‚ÄstPois n√£o vai arrancar porque ele n√£o correu e nem est√° aqui, est√° viajando. Ent√£o eles se despediram e voltaram para o arraial Jo√£o Vieira.

Informa√ß√Ķes obtidas no Blog Lampi√£o Aceso.